domingo, 27 de outubro de 2013

iSOLATED



without [e]scape
life suddenly became accelerated
quickly than i can process
left behind
lost
without reaction...


terça-feira, 23 de abril de 2013

455 – Parte I


“Saudades de você, de nós e até de mim.”



Ela derretia num ônibus que se movia como uma estufa entre o Meier e a Praça XV.
Em meio a tantos afazeres que a aguardavam do outro lado “da poça“, arrumou uma janela para pensar. Releu suas anotações e percebeu que escrevia muito nesse caminho.
Era nesse endereço da zona norte que ela guardava parte da sua tranquilidade e ia buscar quando precisava.
Sentia sua vida meio fora de controle nos últimos tempos. O zilhão de coisas a fazer pareciam a engolir, dando a sensação de sufocamento, insuficiência e incapacidade.
Sabia que não era possível ter tudo o que desejava. Nem desejar as coisas a qualquer preço. Muito menos as pessoas, que não são como bibelôs, e se importam quando são colocados numa caixa no fundo do armário.
Estava duplamente angustiada. Tinha receio da distância ter mudado algo entre eles. A insegurança que há muito não a visitava, começou a gritar nos seus ouvidos. Sentiu muita vontade de ouvir aqueles sentimentos gotejados homeopaticamente por ele em forma de palavras. Eram mais agradáveis que qualquer música que ele pudesse produzir. Foi uma profusão de interrogações em sua cabeça. O que ela significava em sua vida? Seria aquela relação real ou apenas produto da sua imaginação? Os intervalos de tempo e espaço já haviam sido maiores entre eles, mas foi a primeira vez que doeu tanto.
A outra ponta de sua angústia era uma certa raiva de si mesma por dar tanta importância a um relacionamento. Gostaria de não ter se perdido de vista. Sua vida havia mudado tanto nos últimos meses. A cada dia via seus limites se estenderem para mais adiante. Mal tinha tempo para si, quanto mais para dedicar a alguém. Não o culpava por ir embora. Ela mesma já não estava lá.
Gostava da liberdade que oferecia, tanto quanto de recebê-la em troca. Sabia que não havia nada a fazer para manter alguém em sua vida. Poderia apenas oferecer um lugar e, caso fosse confortável, o hospedado poderia permanecer ali em algum canto. Sim, Significaria que ela mesma teria que caber no centro da vida de alguém. Lhe parecia um lugar tão apertado. Sempre que se via nessa posição, necessitava expandir, arejar. Por isso precisava de espaço.
Precisava de tempo, de uma pausa. Não queria sofrer agora.  Só precisava de si mesma de volta. Queria só deixar pra lá...