segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Oscilaçao


"Pedi você
Prá esperar 5 minutos só
Você foi embora sem me atender
Não sabe o que perdeu
Pois você não viu, você não viu...
Como eu fiquei"


De um lado a felicidade imensa por esse encontro tão inesperado, a surpreendente sintonia de sentimentos e a sensação de ser  plenamente compreendida a cada palavra em que tentamos traduzir nossas emoções.

Por outro lado a saudade que parece ser infinita e as vezes chega a doer.  Se instala no segundo seguinte a nos separarmos. No lugar da sua presença fica a vontade de ter de novo aqueles abraços que fazem o mundo voltar ao eixo novamente e beijos que parecem fazer fundir nossos corpos.

Tenho me sentido meio analfabeta, pois as palavras que eu pensei ter aprendido ao longo da vida parecem não servir para expressar tudo que tenho sentido.
Meu cérebro se esforça para compreender o que se passa. Questiona se isso é tudo real ou apenas uma projeção de expectativas que eu nem sabia ter.

Mas ao mesmo tempo, também pisa no freio desse zilhão de problematizações. Me manda parar de me preocupar tanto e aproveitar para ser feliz enquanto é tempo! E dá muita vontade de não ouvir nada e apenas sentir. Sentir todo esse turbilhão de emoções. De te carregar comigo por todos os lados que vou.

Mas também vou até a outra extremidade e chego a me sentir mal por essa saudade que não acaba.  Uma certa culpa por querer mais do que me é oferecido. Parece existir um descompasso entre meus sentimentos e suas iniciativas. Me sinto recebendo menos. A sobra, o resto. Não me contenta. Não me contento. Não estou mais na fase de  aceitar de bom grado pouco amor, pouca consideração. 

Não que goste de holofotes sobre mim ou seja um ser frágil que requer total atenção. Mas tenho me sentido estranha com essa falta de lugar na sua vida. Ou melhor, com essa incoerência entre seu discurso de intensa saudade e essa inércia nas iniciativas em estar presencialmente na minha vida.

Não acho que os outros amores de nossas vidas sejam um empecilho real. Sou daquelas que acredita que as relações que requerem muita proteção são frágeis. Me parece que você mesmo não tem segurança do que quer de mim, comigo e de você mesmo.

Não sei se essas palavras carregam a irracionalidade que um dia difícil traz. Só sinto que não tenho certeza se  me disponho a vivenciar  por muito tempo esse descompasso.

Nada de mais. Apenas isso...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Diz aí o que fervilhou na sua mente